Former Lives, um álbum (quase) sobre vidas alheias

28 out

Semana passada, o vocalista da lindíssima banda Death Cab For Cutie lançou seu primeiro álbum solo, Former Lives. Eu, como boa fã de Death Cab e do próprio Ben Gibbard, que tem projetos ótimos como Postal Service, não poderia ter ficado mais animada no momento que baixei o álbum.

Vou ser bem sincera e dizer que esperava algo meio Death Cab meets Postal Service, mas o resultado não foi bem esse.

Pra quem não conhece Postal Service

O álbum parece mais algo como uma mistura dos últimos dois álbuns do DCFC, Narrow Stairs e Codes and Keys. Tanto que poderia ter na capa escrito “Death Cab For Cutie” que ninguém acharia estranho. Acredito que a maioria dos fãs esperava do Gibbard um álbum mais sombrio e deprimente, devido ao termino de sua relação com a atriz e crush de 98% dos indies, Zooey Deschanel .

Former Lives não tem lá grandes experimentações instrumentais, mas ganha bastante destaque nas letras, que sempre me pareceram ser o forte de Gibbard.  E, bom, só digo que aqueles que esperavam músicas melancólicas e chorumentas sobre como a Zooey era incrível e ele a deixou escapar (sei que todos estão pensando nisso) irão se decepcionar, pois de acordo com o próprio Gibbard, apesar de, sim, algumas músicas retratarem partes intimas da sua vida, a maioria não é baseada na vida do cara (ele que falou, hein, vocês podem tirar as próprias conclusões).

Inclusive, em uma entrevista, Ben disse que a maioria das músicas do álbum são musicas que ele escreveu ao longo da vida e nunca entraram nos cds do Death Cab. Por isso, no Former Lives, ele não retrata um momento específico, como é comum nos álbums da banda.
Fun Fact: a canção Bigger Than Love, que Gibbard canta em um dueto com a cantora Aimee Mann, é inspirada nas cartas de amor dos escritores F. Scott e Zelda Fitzgerald, retiradas do livro “Dear Scott, Dearest Zelda”. A música recria a vida dos dois em uma música que retrata a vida conturbada e apaixonada dos dois.


“I live with my memories
The bustle and fervor of New York
We’re on 59th street
We quarreled and broke the bathroom door
‘Cause you were just drinking
Drinking til you could hardly see
Of how much I loved you
I couldn’t bring myself to leave”

Resumidamente, apesar de não ter grandes e loucas inovações, Ben Gibbard se ateve ao que faz de melhor: canções com letras incríveis e melodias contagiantes.

Pra finalizar, a minha música preferida do álbum:

Carina 

@niinaschroder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: